"Virei bandido", diz empresário abordado por engano pela PF no Pará

29-04-2012 19:24

 

MARIANA VERSOLATO
DE SÃO PAULO
 
 
Um empresário de 40 anos de Santarém (PA) afirma ter sido humilhado por agentes da Polícia Federal ao ser confundido com um vizinho investigado por exploração de máquinas caça-níqueis.
 
Dono de um restaurante na cidade, Junior Chaves diz ter sido acordado em casa por cerca de 30 policiais federais às 8h de quarta-feira (25). Os agentes tinham um mandado de busca e apreensão. Na casa estavam ainda a mulher e os sogros do empresário.
 
"Ouvi o interfone tocando de forma até estúpida, achei que fosse alguém brincando, um bêbado. Quando abri a janela vi 30 policiais do lado de fora, enfileirados no muro da minha casa, com armas na mão. Quando perguntei sobre o que se tratava, gritaram: `Polícia Federal, abre a porta, bandido! A casa caiu!'."
 
Chaves conta que mora em uma avenida movimentada e uma multidão assistia à cena. "Me senti muito humilhado e envergonhado."
 
Segundo o relato do empresário, após abrir o portão com as mãos na cabeça, os policiais lhe deram uma chave de braço e o empurraram em direção à casa. Pediram então para ele chamar quem mais estivesse ali. Sua mulher apareceu escoltada por um policial e, logo em seguida, viu seus sogros.
 
"Minha esposa disse que eu não era bandido. Perguntaram então se ela não sabia que era casada com um marginal, com um vagabundo."
 
Chaves disse que só se deu conta do que estava acontecendo quando os policiais o chamaram pelo nome de seu vizinho. "Quando eu disse que não era ele, perguntaram:'Você quer pagar uma de otário pra gente? Faz um mês que estamos te seguindo. O delegado disse ainda que não importava que eu não fosse, que era para calar a boca ou seria preso por desacato."
 
O número da casa que estava no mandado era do imóvel de Chaves, mas o nome era de seu vizinho.
 
Alguns policiais, porém, foram à casa de seu vizinho e confirmaram o engano. O delegado ainda pediu o contrato de aluguel do empresário para conferir as informações e levou o documento.
 
  Divulgação Polícia Civil do Pará  
Polícia apreende 65 máquinas
Polícia apreende 65 máquinas "caça-níqueis" em Santarém, no Pará
 
 
Segundo Chaves, um policial cochichou no ouvido do outro e todos "murcharam". "Saíram sem pedir desculpas. Só disseram que esperavam que eu entendesse, porque estavam cumprindo ordens."
 
O empresário disse que não pretende, por enquanto, acionar a Justiça para pedir indenização.
 
"Gostaria apenas que se retratassem publicamente. Não consigo dormir, a família toda ficou muito abalada com essa humilhação. Depois a PF disse na imprensa que a operação havia ocorrido dentro da normalidade, mas não podem achar isso normal. Para quem assistiu à cena na rua, virei bandido."
 
O empresário ficou com uma cópia do mandado de busca. Ele conta que um delegado da Polícia Civil e seu vizinho, que já foi libertado, lhe pediram desculpas. "Eu sou branco e tenho 1,81 metro. Meu vizinho é mais moreno, careca. Não temos nada a ver. Não sei que investigação foi essa que eles fizeram."
 
A operação Caça e Caçador, de combate ao jogo ilegal na região de Santarém, envolve as polícias Federal e Civil do Pará, e já dura dez meses.
Procurada, a Polícia Federal disse que só poderia comentar as afirmações do empresário nesta segunda-feira (30).