As UPPs estão em uma encruzilhada? – Nossa opinião

08-09-2011 12:09

Chegamos a um ponto que é preciso colocar alguns pingos nos ‘i’s na questão das UPPs e das pacificações.

Em primeiro lugar , como diz um amigo, ‘polícia boa e barata não existe’. Não se atrai mão de obra qualificada e puramente vocacionada pagando-se um salário de miséria. Não se formam bons policiais com menos de um ano de treinamento. Não se pode ter policiais trabalhando nas UPPs de boa vontade sendo que em muitas delas as gratificações já ultrapassam os 3 meses de atraso. Não se pode ter policiais trabalhando nas UPPs com boa vontade quando não lhe são dadas acomodações dignas. Não se combate traficantes que possuem armas de guerra com pistolas .40 com ‘meia dúzia’ de munições e ‘tasers’ (armas de choque elétrico).

http://virusplanetario.files.wordpress.com/2010/04/pri1.jpg?w=510

Em segundo lugar, é evidente que todas estas ações, inclusive as reações exacerbadas no Complexo do Alemão por parte da população são orquestradas de dentro da cadeia e executadas nas favelas pelas lideranças do Comando Vermelho – Rogério Lemgruber ( CV-RL) e Comando Vermelho Jovem – Paz, Justiça e Liberdade ( CVJ-PJL) – é preciso ‘se dar nome aos bois..’ – que são os dois braços do Comando Vermelho no estado e que foram os mais prejudicados com a instalação das UPPs.

http://odia.terra.com.br/portal/rio/fotos/10/06/08_upp_ssilva_575.jpg

Em terceiro lugar, finalmente, o governo, principalmente o Secretário Beltrame, resolveu colocar os pés no chão e assumir que o processo de pacificação se dá paulatinamente e com tropeços e dificuldades. E também com reação. E que é preciso urgentemente se reavaliar a forma que as UPPs estão sendo implantadas e seu funcionamento no dia a dia.

http://i1.r7.com/data/files/2C92/94A4/274D/8631/0127/6351/7B23/5D52/policial-pipa-cdd.png

Fala-se muito no ‘social’… . Como se os governos nunca tivessem feito qualquer investimento na área social nas favelas. Ué…??? E a Vila Olímpica na Mangueira, os ‘n’ favelas bairro feitas por Cesar Maia e Conde, o projeto do Gari Comunitário e as legalizações de posse de terra nas favelas no governo Marcelo Alencar, as dezenas de quadras esportivas de alto nível feitas nas favelas pelo Conde e Cesar Maia ??? E por aí vai… . isso para não falar nos investimentos recentes como internet sem fio gratuita, teleférico, plano inclinado, entrada maciça da limpeza urbana, projetos de legalização e estímulo ao empreendedorismo e , caramba…quantos ainda não conheceram um???, até mesmo um cinema 3D… .

Chega de demagogia. Chega de se querer fazer média com o povão das comunidades como se eles fossem abestalhados e pobres coitados que nunca tiveram dignidade. Será que alguém ‘do asfalto’ sabe que nas favelas e comunidades têm classes alta, média e baixa? Que continuam morando e muitas vezes produzindo e gerando trabalho e renda legais dentro de suas regiões? Os mais necessitados da maioria destas comunidades são moradores recém chegados, com menos de cinco anos, que por isso, foram obrigados a buscar as áreas mais desvalorizadas das favelas. É? Ou vocês não sabem quanto custa uma casa ou apartamento em comunidades como a Rocinha ou no Pavão – Pavãozinho ? Caso alguém compre alguma razoavelmente situada com dois quatros e laje por menos de 50 mil reais pode me avisar que estou lá também comprando como investimento. E isso tudo sem escrituração legal. Há casas na Rocinha que hoje valem mais de 200 mil reais e também no Vidigal. O povão das comunidades merece respeito, dignidade, e cidadania, assim como qualquer cidadão que viva legalmente neste país e cumpra seus deveres, seja morando em comunidades ou ‘no asfalto’. Miséria a gente encontra por aqui sim. Está lá em alguns bairros da Baixada, em algumas áreas de comunidades, nas ruas de Ipanema e Copacabana. E quem resolve o problema da miséria e da falta de cidadania não é a polícia e sim os políticos. Ou não resolvem.

Polícia nas UPPs não deveria ser mediador social, treinador esportivo ou qualquer coisa semelhante em tempo integral. Isso poderia até ser feito eventualmente, em caso de necessidade e como política de integração. E só. Polícia é para servir e proteger. Servir à lei e à sociedade e proteger a sociedade dos que descumprem a lei .

Não é tão difícil quanto pode parecer retomar o caminho correto do projeto ‘UPP’. Bastam algumas condições básicas como humildade, transparência e aporte adequado de recursos.

http://falandoaverdadecomsegadasvianna.files.wordpress.com/2011/09/upps_unidade_de_policia_pacificadora_exclusivo_jornal_de_lavras.jpg?w=300

O resto pode deixar com os guerreiros e combatentes das polícias e das Forças Armadas que eles dão conta da bandidagem.

 

Segadas Vianna

http://falandoaverdadecomsegadasvianna.wordpress.com